NEW NET COM NOVOS PLANOS

NEW NET COM NOVOS PLANOS
MAIS CONEXÃO AO SEU ALCANCE

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

No Dia do Portuário, setor comemora a geração de emprego e renda no País

Duas gerações de portuários: O tio, Marcelio, o filho Erik e pai Marcel Viega
Com quase 8 mil km de costa e 17 mil km de vias navegáveis é fácil entender a vocação marítima do Brasil. O setor portuário gera riqueza para o país desde 1808, com a abertura dos portos às nações amigas. Com a instituição da Lei 8.630/93, conhecida como a Lei de Modernização Portuária, milhares de empregos são gerados dentro do processo de investimentos em tecnologias e modernização para atender as novas demandas do comércio marítimo.

Em São Luís, a atividade portuária é formada por dois Terminais de Uso Privado (TUP) e um porto público, o Itaqui, com sete berços de atracação. Entre eles está o berço 105 operado pela VLI, companhia de soluções logísticas que integra terminais, ferrovias e portos. O setor reúne um universo de 2,5 mil pessoas que envolve trabalhadores avulsos, operadores de máquinas, conferências de cargas, vigilância de embarcações, limpeza, administrativos e operacionais.

Muitas histórias e sonhos formados a partir dessa profissão. Há até casos de gerações de portuários numa mesma família. Marcel Viega, 37 anos, nove deles atuando na VLI no Maranhão é um dos exemplos. "Comecei como auxiliar de serviços gerais, tive meu trabalho reconhecido e hoje sou operador portuário", relembra. O pai dele, Marcelino de Jesus Viega, hoje aposentado, trabalhou a vida toda embarcado, o que inspirou também o outro filho, Marcelio, 34 anos, que há quase dois anos, trabalha como mecânico na VLI. "Eu me lembro muito do meu pai. Ele contava muitas histórias do seu trabalho. Eu sentia como o dia a dia no porto era importante para ele. Hoje eu tenho uma experiência parecida e me sinto realizado”, conta.

A terceira geração dos Viega já dá seus primeiros passos na área portuária. Eric, de 19 anos, filho do Marcel, trabalha como auxiliar de serviços gerais na VLI. "O que me inspirou foram os exemplos que tenho em casa”.

O mercado portuário está aquecido e a expectativa é que continue gerando empregos. De acordo com a Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), o Porto do Itaqui movimentou mais de 25 milhões de toneladas no ano passado, um crescimento de 12% na comparação com 2018. Para o presidente do Instituto Navigare e mestre em Direito Marítimo e Portuário, Saulo Gomes. "Os números demonstram a pujança da atividade e a possibilidade de novas vagas". Gomes explica que o setor oferece oportunidades em todos os níveis. "A dica que eu dou para quem quer atuar no setor portuário é: qualifique-se. Esteja atento às especializações, cursos, eventos e às redes de contato", finaliza.

Sobre a VLI

A VLI tem o compromisso de contribuir para a transformação da logística no país, por meio da integração de serviços em portos, ferrovias e terminais. A empresa engloba as ferrovias Norte Sul (FNS) e Centro-Atlântica (FCA), além de terminais intermodais, que unem o carregamento e o descarregamento de produtos ao transporte ferroviário, e terminais portuários situados em eixos estratégicos da costa brasileira, tais como em Santos (SP), São Luís (MA) e Vitória (ES). Escolhida como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar pela revista Você S/A pelos últimos cinco anos e a primeira colocada do segmento de Logística e Transporte em 2019, a VLI transporta as riquezas do Brasil por rotas que passam pelas regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.