MERCEARIA SILVA

MERCEARIA SILVA
ECONOMIZANDO COM VOCÊ

OIFEODONTO 1 ANO

OIFEODONTO 1 ANO
LOJAS TROPICAL - MANIA DE PREÇOS BAIXOS

domingo, 21 de janeiro de 2018

Aumento de roubos e assaltos preocupa população de Timbiras

Comercio de seu Fernando no Bairro São Raimundo

Com uma população de 28 mil habitantes e um contingente rotativo de apenas 4 (quatro) policiais militares, a cidade de Timbiras vem sofrendo cada vez mais com as ações dos bandidos, que praticam diariamente roubos e assaltos de motos, celulares, residências, casas comerciais e às pessoas em geral. Uma situação preocupante e perigosa, que deixa a população timbirense insegura e com constante medo dos assaltantes, que são audaciosos e atacam em plena luz do dia.


Comércio de dona Rita Sampaio Avenida João Leal/Centro

Comerciantes tentam se proteger da rotina de arrombamentos e assaltos, trabalhando com grades nas portas dos seus comércios e atendendo por uma pequena janela. Essa situação é vivenciada pela senhora Rita Sampaio, proprietária de um estabelecimento comercial em Timbiras. A microempresária considera a situação constrangedora e humilhante para o dono do comércio e para os clientes. “Eu já fui assaltada duas vezes, e por isso, resolvi colocar grades e ficar presa dentro do meu próprio comércio, mas mesmo assim, fico com medo, o tempo todo pensando que a qualquer hora possa acontecer novamente”, diz a comerciante.


Comercio de Ieda - Bairro São Sebastião
Muitos outros comerciantes, em todos os bairros da cidade, também já foram assaltados, e agora estão trabalhando com grades em seus estabelecimentos, deixando-os indignados com a fragilidade da segurança pública em Timbiras. Nossa reportagem ouviu vários depoimentos, dentre eles o do senhor Antônio José, proprietário de um ponto comercial, que se diz envergonhado com a fragilidade da segurança oferecida pelo Estado do Maranhão.

Bairro São Sebastião
“Na última quinta-feira [dia 18], os caras fizeram um arrastão aqui no bairro São Sebastião, roubaram duas motos e vários celulares em plena luz do dia. A gente não pode mais trabalhar sossegado, ter uma moto ou um celular. Pelo o amor de Deus, alguém tem que fazer alguma coisa”, relatou o trabalhador.

Como se não bastasse a violência típica, uma nova modalidade de crime está sendo praticada em Timbiras: o sequestro de motocicletas. Nessa prática criminosa, os bandidos roubam as motos, e para os donos tê-las de volta, têm que pagar o resgate, que varia de 1.500 a 2.000 reais, como explica uma das vítimas, de inicias R.N, que conversou com a nossa reportagem, mas não quis se identificar. 

“Tomaram a minha moto de assalto, registrei o Boletim de Ocorrência, mas a polícia não conseguiu pistas dos bandidos, e por isso, fui investigar por conta própria, e descobri onde estava a minha moto, mas tive que pagar 2.000 reais para os ladrões e 200 [duzentos] reais ao informante.” 

Em relação aos furtos e assaltos de motocicletas, o modo operacional dos bandidos é quase sempre o mesmo. Após tomar o veículo, os assaltantes deixam o município por uma conhecida rota de fuga, via bairro São Sebastião, mais precisamente a partir da localidade Setúbal, de onde seguem por uma estrada vicinal paralela à linha do trem, rumo à cidade de Coroatá e a outras localidades próximas.

O que chama a atenção da população de Timbiras em relação à ineficácia da detenção dos bandidos pela polícia é que neste ponto da zona rural existe uma ponte sobre a linha férrea, o que impossibilita a viatura policial de prosseguir na captura dos ladrões. 

Outra situação preocupante é o número de homicídios no município. No ano de 2017 foram dez assassinatos. No dia 1º de janeiro de 2018 foi registrada uma morte por arma branca. O homicídio ainda está sob investigação, para melhor esclarecer a dinâmica e a veracidade factual do trágico acontecimento.

A preocupante realidade cotidiana em Timbiras exige uma urgente tomada de decisão por parte das autoridades e da sociedade. É dever dos governos federal, estadual e municipal, que garantam a tranquilidade das cidadãs e dos cidadãos. A população não pode continuar refém dentro de suas próprias casas sem ter o direito de ir e vir livremente, princípio básico da civilização.
Romenigue Couto e Hildenilson Sousa / Timbiras – MA.

www.blogdoromenigue.com.br




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Pages