MERCEARIA SILVA

MERCEARIA SILVA
ECONOMIZANDO COM VOCÊ

OIFEODONTO 1 ANO

OIFEODONTO 1 ANO
LOJAS TROPICAL - MANIA DE PREÇOS BAIXOS

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Produção de abóbora do Sertão Maranhense ganha espaço em outros Estados

 
Além de ser rica em vitaminas e minerais, a abóbora também é conhecida por prevenir doenças do coração, melhorar a qualidade do sono e beneficiar o sistema imunológico. Rico também é o território do Sertão Maranhense por produzir em abundância um alimento tão completo.
 
Para a agricultura familiar, o ano inteiro é de muito trabalho, expectativa e colheita. Nos meses do inicio do ano, os agricultores da região se organizam para colher a produção, já que o ciclo de varia de 90 a 100 dias. Para o seu Gersino da Silva, de 65 anos, a esposa e seus 9 filhos, moradores da Comunidade Caminho Velho, em São João dos Patos, esse período tem um sabor diferente. Esses meses na casa do seu Gersino são caracterizados pelo colheita da abóbora plantada entre os meses de outubro e novembro.
 
A colheita é esperada com muita expectativa. Só este ano, o seu Gersino já plantou e colheu 72 toneladas de abóbora, cultura que ele produz em maior quantidade e comercializa para fora do Estado. A família não foca apenas na comercialização dessa hortaliça fruta. “A abóbora é o carro chefe aqui em casa. É o que mais produzimos, mas temos também milho, arroz e feijão. O milho e o arroz a gente vende por aqui mesmo no município, o feijão é só pra comer e a abóbora eu vendo para o Estado do Recife – PE”, explicou o seu Gersino, cheio de alegria. Só nesta safra, na casa do agricultor, além das 72 toneladas de abóbora, foram 5 toneladas de milho e 6 toneladas de arroz.
 
O Governo do Estado, por meio da Agência de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural – AGERP, órgão vinculado à secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), apoia agricultores como seu Gersino que são instruídos pelos técnicos da Agência com capacitações e instruções acerca do cuidado com o solo, plantio e o uso de defensivos agrícolas.
 
Para o gestor da pasta da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, exemplos como esse mostram que o governo Flávio Dino segue no caminho certo, valorizando os eixos conhecimento e produção. “Com a assistência técnica e as capacitações corretas, o nosso agricultor familiar produz muito mais e, consequentemente, tem mais qualidade de vida. É isso que nós queremos para a agricultura familiar do Maranhão: produção e autonomia”, acrescentou o secretário.
 
Exportação
A comercialização da abóbora vem sendo a maior fonte de renda de pequenos, médios e até grandes produtores que exportam para os estados do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Alagoas, Piauí e também aqui do Maranhão.
 
Um estudo realizado pelo Sebrae – MA, apresentado no município de Colinas, no ano passado, identificou nova área produtiva no Maranhão. Trata-se do Polígono da Abóbora que engloba os municípios de Colinas, Paraibano, Buriti Bravo, Passagem Franca, Sucupira do Norte, Pastos Bons, São João dos Patos, Lagoa do Mato e Mirador, envolvendo mais de 2 mil famílias em assentamentos rurais, áreas quilombolas e propriedades rurais de pequeno porte. Nessa região são comercializadas mais de 12 mil toneladas por ano, mas a produção total é estimada em 24 mil toneladas anuais.
 
Para fortalecer ainda mais a cadeia produtiva da abóbora e outras culturas como abacaxi, milho, cachaça e caprinos, o Sistema SAF (composto pela SAF, AGERP e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão – ITERMA), realizará nos dia 06 a 08 de abril a primeira Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão – AGRITEC, no território Sertão Maranhense.
 
Para o gestor Regional da AGERP de São João dos Patos, Ednaldo Quirino, a Feira é diferente de outras feiras agropecuárias, já que a AGRITEC é direcionada para o agricultor familiar e para o seu acesso a diversos conhecimentos relacionados à produção agrícola. A Feira é formada por espaços tecnológicos com demonstração de pequenas alternativas de cultivo viáveis para o produtor, oficinas, palestras, cursos, comercialização de produtos cultivados por agricultores dos municípios da região, dentre outros atrativos



FONTE: SAF TEXTO: Thaise Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Pages