MERCEARIA SILVA

MERCEARIA SILVA
PUBLICIDADE

OIFEODONTO 1 ANO

OIFEODONTO 1 ANO
CHOPERIA RAMON TUDO DE BOM

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Corpo de Papete é velado na Casa do Maranhão, em São Luís

O corpo do cantor e compositor Papete é velado nesta manhã de sexta-feira (27), na Casa do Maranhão, região central de São Luís (MA). O velório pera a família teve início nas primeiras horas da manhã, às 6h, reservado à família e amigos. Às 9h, o velório foi aberto ao público. Pela tarde, às 15h30, o cortejo segue rumo ao Cemitério Jardim da Paz, no Maiobão, onde o corpo será cremado a pedido do próprio artista em vida.

José de Ribamar Viana, o Papete, morreu na madrugada dessa quinta-feira (26), aos 68 anos, de insuficiência cardiorrespiratória, segundo informou a família. Papete lutava contra um câncer de próstata e estava internado no Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo. O quadro havia piorado nos últimos dias. A Prefeitura de São Luís decretou luto oficial de três dias.

Amigos, fãs e artistas prestaram as últimas homenagens na despedida de uma grande referência da cultura popular do Maranhão. O amigo e também músico Chiquinho França destacou a trajetória do artista e a garra do cantor e compositor que manteve as atividades em pelo menos dois projetos, mesmo doente.
“Eu acho que o Papete foi inspiração para toda essa gama de artistas que apareceram depois dele. Papete é uma grande referência, não só para a música, mas como para a cultura, folclore. Eu tenho dito que ele trilhou a carreira dele sem muito egoísmo na questão de gravar os melhores compositores da sua geração, de chamar grandes músicos e fazer um rodízio com os músicos nos seus shows e seus trabalhos. Era um cara que ‘manjava’ muito da produção desde a criação, da composição, gravação em estúdio, do palco, a coisa da mídia, de como fazer com que a música tocasse”, disse Chiquinho França.

Corpo de Papete será cremado, a pedido do próprio artista (Foto: Danilo Quixaba/Mirante AM)
Corpo de Papete será cremado, a pedido do
próprio artista (Foto: Danilo Quixaba/Mirante AM)
Entre parceiros de música, surpresa. “Há poucos dias, ele lançou um livro, e por sinal estou nesse livro. Isso para mim foi um choque muito grande. Surpreendeu. Eu nem sabia que ele estava internado, doente. Eu desabei”, revelou a sambista e compositora Patativa.

Ninguém amou tanto sua terra, ninguém cantou com tanto amor sua terra do que Papete”
Tutuca, cantor “Papete como músico, reconhecido internacionalmente. Poucos músicos alcançam essa notoriedade. Então, Papete como músico foi um cara que tocou com todo mundo e foi considerado várias vezes um dos maiores percussionistas do munco. Só esse mérito já é uma honra para o Maranhão. Agora, como artista maranhense, acho que ninguém amou tanto sua terra, ninguém cantou com tanto amor sua terra do que Papete, principalmente nesse período tão importante no Maranhão que são as festas juninas”, destacou o cantor Tutuca.
tomou a frente da música popular maranhense e representou muito bem a música regional do Maranhão” Gerude, cantor “Ele com um tambor na mão, contava a história de todos os ritmos, no mundo todo. Era um cara completo, um cara fantástico, disciplinado, um cara que tomou a frente da música popular maranhense e representou muito bem a música regional do Maranhão”, ressalta o músico cantor Gerude.
Entre amigos, grandes histórias. “Cultura, musical e de amizade. Papete é uma referência na vida. Eu estudava em São Paulo, quando conheci Papete e sua música, e por incrível que pareça foi por meio dele que vim a ter mais familiaridade com a música do Maranhão. A partir disso, aprofundei meus conhecimentos nessa área. Papete foi o grande inspirador desse movimento de fazer os festejos juninos, a música do Maranhão deu uma linguagem mais popular, mas acessível. É uma perda muito grande”, disse o presidente do Conselho Deliberativo do Grupo Mirante, Fernando Sarney.

“Eu gostava muito do Papete. A cultura do Maranhão perde muito. Ele era um ícone da cultura do Maranhão”, afirmou o senador João Alberto (PMDB-MA).

José de Ribamar Nunes, o Papete, lidera o espetáculo. O músico já tem 40 anos de carreira e 23 discos lançados. (Foto: Divulgação/Eraldo Peres)
Músico tinha mais de 40 anos de carreira e 23
álbuns lançados (Foto: Divulgação/Eraldo Peres)
Trajetória

Papete nasceu em Bacabal – a 240 km de distância da capital –, e é uma das principais referências do São João do Maranhão, com canções e composições que marcaram gerações, como ‘Bela Mocidade’, ‘Boi da Lua’ e ‘Coxinho’. Seu trabalho mais destacado é ‘Bandeira de Aço’.

Papete foi reconhecido um dos melhores percussionistas do mundo, nos anos de 1982, 1984 e 1987, quando participou do ‘Festival de Jazz de Montreux’, na Suíça.

Mais recentemente, o cantor e compositor lançou um trabalho, intitulado ‘Os Senhores Cantadores, Amos e Poetas do Bumba Meu Boi do Maranhão’, que resgata a história dos cantadores de bumba meu boi do Maranhão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pages